Saiba mais:
• Regras e dicas de segurança
• Controle o que seu filho vê
ARQUIVO BATE-PAPO COM CONVIDADOS
Escolha por área: Ver as íntegras

Busque pelo entrevistado:
Categoria:
Ano:

BATE-PAPO COM
 


 
     
 ÍNTEGRA
O texto abaixo reproduz exatamente a maneira como os participantes
digitaram suas perguntas e respostas

 
(09:06:59) Siva Maria: Boa Noite Skylab .
(09:07:00) DUDABRITO: BOA NOITE SKALAB
(09:07:08) morena_linda: boa noite
(09:07:37) Esbórnia8----->: boa noite, mestre!
(09:09:22) Rogério Skylab: Vamos lá. Vim lançar este disco, o "Skylab V", em São Paulo, na Funhouse, sexta-feira. Estou aqui pra bater um papo. É a minha chance de conversar com os internautas, já que a INternet é o veículo onde eu mais tenho visibilidade.
(09:09:30) k_zinha: boa noite, de onde vc tira inspiração para suas músicas, já que elas são tão diferentes do que a mídia apresenta?
(09:11:24) Rogério Skylab: k_zinha, a minha música, ela é diferente, acho que ela é diferente. Mas quando você fala da mídia, qual é a música que a "mídia" normalmente apresenta? eu tenho uma idéia na minha cabeça que é a que a imprensa, o Estado, ele é dominado pelo pensamento hegemônico. E esse pensamento é o do Tropicalismo e seus elementos estão presentes até hoje _na imprensa, no Estado e na indústria fonográfica. A minha intenção com a minha música é passar à margem do Tropicalismo. O meu trabalho é d eoposição ao do Tropicalismo, uma alternativa. Nesse sentido eu posso entender porque o meu trabalho é tão diferente do que é apresentado normalmente.
(09:11:30) PaPaI nOeL: qual é a musica q vc mais gosta?de tantas musicas lindas q vc feis
(09:14:10) Rogério Skylab: Os Tropicalistas e os influenciados por eles têm a atitude de passar a mão na cabeça dos menos afortunados, daquilo que é brega... de dizer, "não, você não é tão cafona, faz parte da cultura brasileira". E há ramificações do Tropicalismo: o irmão do Herbert Vianna, Hermano... ele defende a tese de que o pagode é válido, que o Art Popular... gostam de dizer que a classe média gosta de ter preconceito. Tudo isso é o paternalismo arraigado na cultura brasileira.
(09:14:13) BABOO: você vai continuar fazendo múisca?
(09:15:10) Rogério Skylab: Eu gosto é de Guilherme Muzak, Zumbi do Mato, Daminhão Experiença... eles produzem fluxos de consciência!
(09:15:54) Rogério Skylab: Queremos dar um tiro na própria cabeça, pra acabar com essa consciência também. E tem que associar a minha música à loucura mesmo, e isso é positivo.
(09:18:04) Rogério Skylab: PaPaI nOeL, tem uma que eu não gravei, que é um hino aos internautas. O meu trabalho está ligado à Internet. Eu só estive uma vez ou outra na TV... fora isso, não tenho gravadora, não tenho produtora, não tenho empresário. O meu trabalho é feito dentro de uma precariedade absoluta. O que me resta é a Internet. Eu me considero um fantasma, eu não existo. Eu consegui produzir o "Skylab V" não sei como. Quero chegar no décimo. Mas vou te falar da música que eu mais gosto: "Você quer TC comigo/e se eu não for homem, e nem você mulher/como é que ficam as coisas/ quer TC comigo"... é uma das últimas que eu fiz.
(09:18:26) deby: Vc é contra a pirataria?
(09:19:34) Rogério Skylab: Baboo, minha intenção é chegar no "Skylab X"
(09:20:24) Smashing Pumpkins: eu gostaria de saber como funciona o seu processo de composição
(09:20:30) Rogério Skylab: deby, eu não sou contra a pirataria, porque a pirataria é uma resposta à indústria fonográfica, que é ridícula, que não tem nenhuma relação com a cultura. Vejam quais foram os artistas que eles produziram neste ano... não têm relação alguma com o que está acontecendo. A resposta que a sociedade dá é perfeita, é a pirataria.
(09:20:33) MALUFEI O BANCO: vc se inspirou em algum cantor, cantora ou banda?
(09:22:18) Rogério Skylab: Smashing Pumpkins, eu adoro você... sempre ouço. O meu processo é mental. O momento da criação da música se dá fora dos instrumentos. Depois é que a gente vai se reunir e fazer o arranjo. Mas a primeira etapa é a mais importante. É quando a música nasce no ônibus, na fila do banco, debaixo do chuveiro. O outro processo é o da repetição. Se eu não repetisse várias vezes na minha cabeça, a música também não existiria. Quando eu parto para o estúdio, a música já está gravada na minha cabeça de tanto que repeti mentalmente.
(09:22:58) MarcosJr: quais músicas vc acrescentou a dedo no setlist pros shows do "skylab V" ? alguma novidade que vai além do disco... ?
(09:23:22) Esbórnia8----->: Qual foi a sua inspiração para Fátima Bernardes Experiência?
(09:23:51) Rogério Skylab: MALUFEI O BANCO, Walter Franco, Daminhão Experiença, Arrigo Barnabé, Marcelo Birk (que era da Graforréia Xilarmônica), Gabriel Muzak... uma série de artistas com os quais eu me identifico.
(09:25:51) Rogério Skylab: O meu trabalho está ligado ao suicídio. Não está ligado ao problema mental de se jogar de um prédio, é o suicídio racional e consciente, que se pratica todo dia. Três exemplos: Gilles Deleuze, Walter Benjamin e Stephen Zweig, grandes mentes que escolheram a via do suicídio. Eu aponto a violência para os outros e para mim própria. Esse discurso o Tropicalista nunca vai conseguir deglutir... o Tropicalismo é muito vaidoso para pensar no suicídio.
(09:26:44) Rogério Skylab: MarcosJr, como em todos os meus shows, tem sempre música nova. Fazer show é a possibilidade de experimentar novas músicas. Eu decido gravar as músicas depois que as experimentei no palco. NEsse show, por exemplo, tem o "Hino Nacional do Skylab", maravilhoso... uma música absolutamente nova que vai para o meu próximo disco.
(09:28:30) Rogério Skylab: Esbórnia8, a Fátima Bernardes Experiência, assim como "Câncer no Cu", mostra que eu não estou falando no vazio. O Los Hermanos fala em seixos, céu, meu amor... isso você nunca vai encontrar no meu trabalho, que é direto, uma faca apontada, e se tiver bois eu vou dar nome aos bois... como eu faço em "Fátima Bernardes Experiência". Eu preciso nomear. Não estou falando no abstrato, coisa que nunca vou fazer. Além disso, a música é a possibilidade da imprensa ser notícia. A Fátima Bernardes, que dá todas as notícias com aquela cara de cêra, na música ela é a notícia, eu a humanizo. Assim, a imprensa deixa de ser neutra, porque não existe neutralidade.
(09:28:30) Yes No: Vai sair um CD por ano?? 2005 já promete Skylab 6 ???
(09:29:39) Rogério Skylab: Yes No, o "Skylab VI" já está pronto, o "Skylab VII" já está pronto. O "Skylab VIII" será o meu primeiro disco feito todo com parcerias, o que vai ser a novidade. O "Skylab IX" será alguns restos e o "Skylab X" é um disco ao vivo que já está pronto. Eu sou muito ligado a números, nada a ver com numerologia, mas o meu decálogo já está pronto.
(09:29:43) Nego Mocambique: Aonde compro esse CD?
(09:30:56) Rogério Skylab: Nego Moçambique, em São Paulo na loja Baratos Afins e através do site www.peligro.com.br. No meu site www.rogerioskylab.com.br vende os meus CDs também, além de falar onde ele é revendido.
(09:30:57) o açougueiro: vc tem outras inspirações artisticas fora a música?
(09:32:28) Rogério Skylab: o açougueiro, poesia e filosofia. Estou ligado à música, poesia e filosofia. Sou graduado em Filosofia, tenho feito alguns trabalhos teóricos, minha poesia já está em andamento, já escrevi muita coisa, e há um abismo entre a poesia e as letras de música que eu escrevo. João Cabral de Melo Neto é disparado o maior poeta brasileiro. Ezra Pound é uma figura importantíssima também.
(09:32:39) Ribas_: algumas das situações ocorridas nas músicas foram vivenciadas por você?
(09:35:58) Rogério Skylab: Ribas, foram. O meu trabalho é extremamente vivencial. às vezes não precisa acontecer ipsis literis. Eu posso fazer uma adaptação, mas ele tem base na realidade. Eu jamais sento no piano e penso "vou compor uma canção". A música que chega, ela baixa, e nesse momento eu sou totalmente inconsciente. É engraçado porque quando Platão apareceu na filosofia, ele era contra os poetas. Pra ele, era importante a reflexão, a racionalidade, e os poetas começavam a declamar poemas do nada, baixava o santo... no meu trabalho baixa-se o santo, não há reflexão.
(09:36:03) joao: Ouvi dizer que você estuda várias línguas. É verdade que você já estudou sânscrito? Como é sua experiência com as línguas e as literaturas estrangeiras?
(09:37:41) Rogério Skylab: joao, onde você leu esse negócio? (ri) "se você tem uma boa idéia, faça uma canção/está provado que só se pode filosofar em alemão". isso é Caetano. Acho errado essa idéia. Por que filosofia só em alemão? sou contra a idéia da língua no sentido filológico, não tem a ver com o meu trabalho não. Heidegger não é tão importante quanto Deleuze. A linguagem não tem tanta importância assim quanto você está imaginando. Alguém pode conhecer língua nenhuma e ser filósofo em português.
(09:37:42) Nego Mocambique: Vc odeia musica eletronica?
(09:39:13) Rogério Skylab: Nego Mocambique, a questão não é de odiar, mas as músicas eletrônicas que eu tenho ouvido não me provocam nenhum choque. Todas as músicas eletrônicas que eu ouvi, pra mim é deja vu. Na década de 80, quando a MPB estava em plena decadência, apareceu um disco chamado "Clara Crocodilo", uma porrada no estômago. Eu me lembro que ouvi o discon a época e não entendia porra nenhuma: uma mistura de dodecafonismo com MPB com Schoenberg... você quer assimilar e não consegue. E pra mim o grande critério pra música é o choque.
(09:39:15) Pedro: vc acha suas musicas depressivas?
(09:40:27) Rogério Skylab: Pedro, totalmente depressivas. Gostei muito disso. Porque tem muita gente que faz a relação da minha música com humor. O Jornal do Brasil, por exemplo, me perguntou sobre "Tangos & Tragédias", grupos ligados ao humor. Se ele cai no humor, ele cai sem quiser, acidentalmente. Assim como você vê uma peça do Nelson Rodrigues e ri muito por causa da circunstância.
(09:40:29) Caio: vc ja foi processado por causa de suas letras polemicas?
(09:41:06) Rogério Skylab: Caio, ainda não. Peço a Deus todo dia que não, porque eu não tenho dinheiro, não vou conseguir contratar advogado, terei que procurar o ministério público. Se eu for condenado, não vou poder fazer nada.
(09:41:10) Pedro: podemos esperar os grandes classicos para o show de amanha em sp?
(09:42:01) Rogério Skylab: Pedro, os clássicos vão estar presentes. Eu até gostaria de não colocar clássico nenhum. Em um eu tive a pretensão de não cantar "Matador de Passarinho" e quase me bateram. Mas "Motosserra", "Derrame" e "Matador de Passarinho" estarão presentes.
(09:42:02) V.V. Metralha_MSN: Qm faz os anranjos da sua musica?
(09:44:10) Rogério Skylab: V.V.Metralha, os arranjos são feitos de forma coletiva. Não existe uma rotina, de alguém que vai sentar e escrever o arranjo. Ele se dá junto da banda, coletivo. O meu trabalho de composição não é nada coletivo, por exemplo, mas o de arranjo é sim.
(09:44:12) DeKoNeS: Voce tem em mente produzir um DVD?
(09:45:38) Rogério Skylab: DeKoNeS, gostaria muito. Eu diria que o meu próximo passo é gravar um DVD. Aí eu posso arriar o caixão. Acho que produzi discos de bom nível, produzi um clipe do disco anterior, que me lembra o expressionismo alemão, e agora falta produzir um DVD bacana.
(09:45:38) Pedro: e como vc considera as pessoas que vai ao seu show pelo humor?
(09:46:36) Rogério Skylab: Pedro, o negócio é o seguinte: não é que eu fique chateado com isso, longe de mim, cada um recebe o trabalho da forma que melhor lhe convier. Quem sou eu pra controlar a recepção do meu trabalho. Você sabe que depois que o artista coloca sua expressão pra fora, ele não tem mais domínio do trabalho. Quer receber pelo humor, recebe.
(09:46:37) Smashing Pumpkins: Você já participou do Jô Soares.Como você vê a TV brasileira atualmente?
(09:47:34) Rogério Skylab: Smashing Pumpkins, eu sou uma pessoa viciada em televisão. A minha geração se formou na televisão. Eu procuro ver menos telvisão porque acaba comendo meu tempo... e eu vejo tudo na televisão, do Ratinho ao pastor. A televisão é profundamente sedutora pra mim, eu me formei de frente pra tela.
(09:47:37) Pinéu: Rogério, se você pudesse ser outra pessoa, quem você seria?
(09:48:38) Rogério Skylab: Pinéu, eu não saberia te dizer exatamente. Eu gostaria de ser mulher, mas não que eu, como homem, tenha vocação pra mulher ou afinidade com homem. Mas se alguma coisa me fosse concedido, gostaria de saber como é ser mulher.
(09:48:41) .smoker.: vc usa drogas para fazer essas letras de musica?
(09:49:23) Rogério Skylab: .smoker., vou ser franco, a minha maior droga é a água.
(09:49:24) Caio: como sua familia ve o seu trabalho?
(09:50:09) Rogério Skylab: Caio, minha família sofre muito com isso, porque é uma família de origem cristã, católica, italiana, conservadora, e a minha mãe, com 80 anos, é a que mais sofre. Volta e meia ela diz que eu poderia falar isso de outro modo. Mas é impossível falar o que eu falo de outros modos, só poderia ser assim.
(09:50:12) Eric: Você tem medo de cair no gosto do povo, como pop?
(09:51:45) V.V. Metralha_MSN: Voce tem uma "Musa"
(09:51:45) Rogério Skylab: Eric, é engraçado, porque eu me lembrei do Arnaldo Antunes. Ele era uma pessoa tão talentosa, nos Titãs, é concretista, escreveu belos poemas... de repente, ele encasquetou que tinha que se juntar com Carlinhos Brown e com Marisa monte. Não sei o que deu na cabeça desse rapaz. Transformou-se nessa coisa de tribalista, que não dá nem pra falar, de tão ridículo. Eu tenho a impressão de que desse medo eu estou livre. Sou uma pessoa tão independente, que fala o que dá na telha, que não tem jogo político nenhum... não há como ser pop.
(09:52:27) Rogério Skylab: V.V.Metralha, eu realmente não saberia te dizer se há uma musa. Acho que não tenho musa nenhuma.
(09:52:30) Esbórnia8----->: Vc tem alguma afinidade com o Fausto Fawcett? Além dos 2 serem de Copacabana?
(09:53:12) Rogério Skylab: Esbórnia8, muito boa pergunta, só que está totalmente errada. Eu sou de Botafogo. E eu não tenho relação alguma com o Fausto Fawcett, e digo mais, não gosto do trabalho dele.
(09:53:25) Yes No: A capa de seu novo CD em que você está travestido, tem alguma explicação?? qual foi a sua intenção ??
(09:55:28) Rogério Skylab: Falar algo importante, o disco "Skylab V" estará nas bancas de todo o país encartado junto da revista OUtracoisa a partir do dia 15, revista do Lobão, alguém que eu admiro, desde que ele se desvinculou das gravadoras. Adoro o disco "A Vida É Doce". Ele tem uma frase que é "O nosso rei é desdentado" _o rei é o Roberto Carlos. E eu acho que a revista Outracoisa é dos poucos veículos alternativos que passa longe e fora dessa hegemonia tropicalista.
(09:55:46) Yes No: Como é a sua relação com as outras bandas do cenário independente carioca??
(09:57:50) Rogério Skylab: Yes No, é uma homenagem ao travesti. Nessa revista, Outracoisa, tem uma longa entrevista em que eu falo da importância da idéia do travesti. Porque o travesti, ele manipula o próprio corpo, transforma sua natureza de homem para mulher. Essa idéia de manipulação, no campo da arte, da estética, é de primordial importância. Não existe mais idéia original. As minhas grandes inspirações são músicas que já existem. "Matador de Passarinho" nasceu a partir de uma música do Francis Hime e do Chico Buarque, "Passaredo", cuja letra eu perverti. É um trabalho de perversão, que está ligado ao travesti. A idéia de arte contemporânea é essa: acabou a natureza, acabou a idéia original, tudo é manipulado, tudo é pervertido.
(09:59:55) Rogério Skylab: Yes No, tem bandas que eu gosto e outras que eu não gosto. Por exemplo, gosto de Zumbi do Mato, Gabriel Muzak, Maurício Negão, pessoas do RJ que eu gosto e que no meu disco que farei só de parcerias, esses artistas estarão presentes.
(10:01:53) Rogério Skylab: Para encerrar, o show na Funhouse vai começar pra lá da meia noite, é na rua Bela Cintra, perto da Matias Aires. É um lugar pequeno, é bom chegar cedo. Como é uma condição lançar meus discos em São Paulo sempre, também é uma honra participar do Bate-Papo do UOL e lançar meus discos aqui. Espero que possa fazer isso todo ano. Abraços.
(10:01:57) Moderador UOL: O Bate-papo UOL agradece a presença do músico Rogério Skylab e de todos os internautas. Até o próximo!